O que é #homãodaporra?

Ela passa roupa, pega os filhos na escola, cozinha, tira o pó, administra contas, trabalha, conserta o chuveiro, prepara a lancheira, paga contas… e ele? Ele também!

Com vocês:

A versão atualizada do que se chama família.

Há umas semanas o ator Rodrigo Hilbert foi denominado #homãodaporra, por como ele mesmo disse, não fazer mais do que a obrigação, pois ele é casado com um #mulherãodaporra.

E  #casaisdaporra são assim, quando um está trabalhando, o outro está cumprindo as necessidades da casa. Quando os dois estão trabalhando, eles dividem os afazeres.  E quando os dois estão em casa eles continuam dividindo os afazeres.

O dividir o espaço é o dividir tudo, é cooperação e coletividade.

31

As famílias passaram por diversas fases de evolução, e acredito estarmos caminhando cada vez melhor.

No cenário atual temos:

  1. Famílias em que só o homem trabalha e a mulher faz as coisas da casa. Modelo antigo, ainda atual e cada vez mais colaborativo de ambos os lados! Cada um faz a sua parte, se doa do seu jeito, dividem sustento e trabalho.
  2. Famílias em que os dois trabalham, a mulher chega em casa e faz tudo. Pasmem, ainda existe e são a maioria. Maridos, por favor atualizar o sistema, você usa o banheiro da casa, come da mesma cozinha e ela também trabalha fora.
  3. Família em que os dois trabalham e dividem os afazeres! Sistema atualizado! Check!!!
  4. Família em que só a mulher trabalha e o homem assume as atividades da casa e filhos. Cada vez mais freqüente e assim como o item 1, cada um se doa como pode. Não é mérito da mulher e muito menos demérito do homem. É o mercado de trabalho, é um novo modelo de família e é o homem consciente do seu papel.

Ah… e #casaisdaporra criam #filhosdaporra, que colocam seus copos na pia, guardam suas próprias coisas e tem consciência de que vivem em coletividade e de que pai e mãe não são escravinhos. Vão crescer colaboradores, com atitude, tomando decisões e respeitando o espaço dos outros.

shutterstock_77183560 - Cópia

Mulheres submissas, dependentes e sobrecarregadas por um misto de cultura, de machismo e de feminismo já está ultrapassado. Mas é a realidade na maioria dos lares. Apenas 2 em cada 10 homens podem ser considerados #daporra segundo uma pesquisa realizada no ano de 2016 (leia mais), mas nós que somos super positivas, nos agarramos nestes 20% e ficamos felizes pois já existe esta consciência e ela vai se espalhar.

Homens ajudarem na casa ou serem  “sustentados” pela mulher não é motivo de vergonha de nem de glória. Cada família tem seu modelo, sua necessidade e sua realidade.

Sim, é #homãodaporra o homem que por iniciativa própria (sem ser obrigado ou convidado à) compartilha com a sua  #mulherãodaporra todas as atividades da casa e obrigações em relação aos filhos.

Dá mais quem pode mais. É um momento de igualdade de papéis  com um olhar sem preconceito e muito mais consciente do mundo coletivo em que vivemos.

O mundo girou, as pessoas evoluíram, o cenário atualizou.

Os modelos de família se multiplicaram, assim que entendam este texto como simbólico em questão de gênero,  mas que se aplique o sentido de colaboração em todos os lares.

E voltando ao #homãodaporra, símbolo da atualização dos papéis dentro de uma família, fica a opinião dele Rodrigo Hilbert, para as meninas do Saia Justa do GNT. Porque se um dia soutiãs foram queimados para as mulheres conquistarem seu espaço, hoje um #homãodaporra simboliza a igualdade no lar que é mais do que justa.

Por Cintia Almeida, que preza pela consciência da coletividade.

Vem...leia também

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *