Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /var/www/html/vanessatcm.blog-dominiotemporario.com.br/web/wp-content/plugins/social-share-buttons-by-supsystic/vendor/Rsc/Menu/Page.php on line 228
Férias conjugais - Vem que a gente explica!

Férias conjugais

Férias conjugais?

Tudo começa com um “Aceito”, “Sim”, “I do”, “Escova de dentes para você”… Optamos por dividir nossa vida, nossa rotina e nosso prato de feijão em troca de companheirismo e amor.

Mas como tudo na vida precisa de um break, até os casais mais felizes e apaixonados admitem: Férias são necessárias. A convivência é uma delicia. Dividimos projetos, responsabilidades, amores, alegrias e problemas. Mas tudo que é bom também precisa de respiro.

Atire a primeira pedra quem nunca deu um sorrisinho de canto de boca quando ouviu a frase: – Amor, vou viajar!

Automaticamente junto ao sorrisinho vêm vários planos. Deitar para ler um livro, happy hour com as amigas, pão com ovo no almoço, domínio do controle da televisão, dormir na transversal da cama, planos, planos e mais planos. Viva a liberdade no horizonte do lar.

Para quem vive qualquer rotina, a palavra Viagem soa lindo lindo lindo.

Não é maldade. Muito menos me oponho às convivências familiares. Sou completamente à favor da vida conjugal. Mas devemos admitir que nesta época do ano os ânimos se exaltam com facilidade…

O stress sai das paredes dos escritórios, das escolas, da casa dos familiares, da mesa do gerente do banco, do céu, do inferno, do barulho da construção do vizinho e invadem nossos lares. Cônjuges perdão, … nós amamos, somos felizes e gratos. Mas pela felicidade geral da nação e pela sobrevivência do novo vaso da sala, permita nosso sorriso ao ouvir – Preciso viajar!

Precisamos de tempos em tempos, ter um momento nosso. Brindarmos nossa própria companhia e respirarmos nossa independência. Precisamos nos enxergar como indivíduos com vontade própria e nos dar um momento para ajustar os nervos e sintonizar ao “sim” lá do comecinho.

A saudade faz bem, falei sobre ela no post A distância e o coração. O reencontro faz guardar na mala o sorrisinho da partida e faz escancarar um sorrisão de – Que bom que você voltou!

 Por Cintia Almeida, que adora as chegadas e partidas da vida a dois. 

Vem...leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *