A importância do que passou passou !

Está aí um monstro bipolar que habita em mim e em muitos! Algumas vezes aterrorizante, feio e inescrupuloso. Outras, lindo, cheiroso e gostoso! O Passado, monstrinho complicado. Há de saber doméstica-lo.

O post Nessie e os monstros do autoconhecimento, que a Mari publicou na semana passada me colocou para pensar nos meus monstros e nos monstros dos que me rodeiam, afinal estes tem ligação direta nos rumos que minha vida toma e nos sorrisos que distribuo ou não. E o tal do passado tem força, eita monstro sarado.

Podemos ficar ligados à eles, mas também temos a opção de soltar. Já escrevi uma vez sobre isso no post Entendendo o poder do agora. Entendo este poder, ele mudou a minha vida, mas passado é passado, ele habita em nós! Para ser feliz e viver em paz agora, necessitamos dar altas doses de melatonina, rivotril e frontal ao nosso amigo passado, sempre que necessário.

Agora colocando o pessoal de lado e buscando alguns monstros saudosistas que assolam a geral, temos por aí alguns exemplos:

• Profissionais que se limitam por antigas frustrações
• Amantes marcados por X, Y, Z motivos
• Mudanças de rumo atreladas à promessas
• Tortisses de infância que não desentortam mais
• Saudosismo incurável que não deixa que o presente surpreenda
• Apegos materiais e emocionais
• Erros do passado estampados na alma
• Velhos acertos que não admitem as perdas atuais

Ah, só para constar, no meu entendimento passado é passado. Ele pode ser 20 vidas passadas, meus 15 anos ou 5 minutos atrás. Passou já era, me deixe brigar com este bicho caso ele tenha virado monstro.

Saber que o que passou – Passou!, ajuda a respirar melhor, a entender que não tem volta e que mesmo que volte, nada vai ser igual.

Beijos Cintia, que anda preferindo afogar os monstros na banheira, do que colocá-los para dormir.

Vem...leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *