Medo: você precisa superar todos eles?

MEDO: você precisa superar todos eles?

Acredito que você tenha seus medos, assim como qualquer pessoa. Uns mais aparentes outros guardadinhos no fundo do seu baú. Algumas pessoas se expõe mais, outras se retraem. Mas enfim, não podemos negar, o medo existe.

E a pergunta é: você precisa MESMO superar todos eles? Eu acredito que não! E recentemente lancei essa pergunta no blog e 76% das pessoas responderam NÃO. Confesso que mudei de opinião. Há poucos anos atrás, eu responderia sim sem a menor sombra de dúvida. Hoje eu decidi “escolher” os medos que quero superar.

Eu tenho 3 medos muito aparentes, que são conhecidos publicamente e já passei alguns “micos” tentando superá-los. A sensação que tenho com eles é de falta de ar, respiração ofegante, uma paralisia de ação, suor frio e a visão fica completamente turva!

Com exemplos de “mico” em cada um, são eles:

  • Andar a cavalo: passeio da escola da minha filha. 20 adolescentes, todos sentadinhos no cavalo esperando eu subir e sair… Até subi, mas travei completamente. Não enxergava nada na frente, estava tremendo e lágrimas começaram a escorrer na face. Desci com ajuda, pois mal conseguia tirar a perna de cima do pobre animal que nada entendeu. P.S.: a minha sorte, foi que os adolescentes estavam tão empolgados  lá na frente que nem viram, o mico!
  • Animais que voam (incluindo a barata, que fique beeeem claro): imagine você visitando a cidade de Bonito/MS. Aqueles animais todos, muitas aves indo e vindo. Fomos a um dos lugares de mergulho e tinha uma “dita cuja” Arara linda e maravilhosa solta no lugar. Muitas pessoas a chamando, querendo que ela viesse, blá, blá e blá. Eu tomei uma distância de segurança, com direito a uma boa “margem de erro”. Adivinha? Ela mirou e veio voando baixo dando um rasante na minha cabeça. Me virei com toda força “tentando” fugir e levei um baita tombo me ralando inteira. Mico? GIGANTE! KKKK
  • De altura: convenção da “firma”. Aí vem sempre aqueles que resolver criar situações para mostrar que você é “foda” e que se supera. Pois bem, entrei nessa onda e fui para um circuito de arvorismo. Uhuu! Bora-lá! É hoje que supero esse medo, pensei. Bem, até metade do circuito tudo bem. Até que encontrei um pneu amarrado por um cabo de aço que no meu medo parecia uma “linha de costura”. Pisei e o pneu inclinou (normal) e eu travei a 20 m de altura. Resultado? Tive que descer de rapel grudada no instrutor. Parecia um bicho preguiça quando você pega no colo…

Bem, depois da narrativa “micológica”, resta eu dizer que como esses medos  não tem impacto direto na minha existência, já deixei eles em “stand by”  e vou passar um bom tempo sem novas tentativas de superação.

Você aí do outro lado pode estar me achando ridícula, até porque seu medo deve ser coisas muito mais perigosas etc… Mas isso não vai mudar meu medo e a ideia é de fazer você crer que se não quiser, não tem a mínima obrigação com ninguém, a não ser com você mesmo, de superar o seu ou seus medos. Sem chacotas ou piadinhas. E quer saber, se vierem, ria junto! Supere esse medo de rir de si mesmo! Kkkkkkkkk.

Hei, detalhe de utilidade pública: o fato de você deixar seus medos quietinhos por um período não impede você de tentar superá-los a hora que quiser.

Uma dica é, converse consigo mesmo. Aquela conversa franca e verdadeira e tente descobrir o que causou esse efeito “medo”. Talvez você até já saiba. E sem dúvidas, conhecer, é sempre o melhor remédio para saber as possibilidades de “combate”.

Quer saber mais sobre porque sentimos medo? Acesse o site: https://www.megacurioso.com.br/comportamento/45517-entenda-por-que-sentimos-medo-e-como-ele-toma-conta-de-nos.htm . Explica de uma forma bem simples e ilustra o que descrevi.

Não desdenhe do medo de ninguém e nem do seu. Isso seria total falta de empatia.

Lembre-se o medo é o confronto real ou imaginário de luta ou fuga (li isso em algum lugar em minhas pesquisas sobre o assunto).

Por Pathy que tem seus medos ainda como “hóspedes” em sua humilde “residência”.

Vem...leia também

SEXY

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *