Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /var/www/html/vanessatcm.blog-dominiotemporario.com.br/web/wp-content/plugins/social-share-buttons-by-supsystic/vendor/Rsc/Menu/Page.php on line 228
“PASSAR OU NÃO A MÃO NA CABEÇA” - Vem que a gente explica!

“PASSAR OU NÃO A MÃO NA CABEÇA”


    Filhos, passar ou não a mão na cabeça?
Essa expressão é muito utilizada e tem o sentido de proteger, defender alguém, sem saber se a pessoa está certa ou errada. Uma certa “conivência”, indireta e muitas vezes sem a percepção de quem está “passando a mão na cabeça”.
Existe uma linha muito tênue entre defesa porque se está certo e defesa só para proteção sem o conhecimento da causa. Perigoso quando estamos falando de nossos filhos, principalmente quando estão ainda embaixo de nossas asas e que temos a responsabilidade de educá-los para a vida para serem pessoas integras e do bem! Se irão assimilar e levar para a vida adulta, é outra estória. Mas como pais esperamos que sim. E se não fizermos, a vida fará de uma forma nem sempre “amorosa”.
Fácil vivenciar situações em que pais protegem seus filhos e você olhando de fora, percebe que o filho não era isento na situação. Que realmente “tinha culpa no cartório”. Situações corriqueiras e até situações bem mais graves que envolvem delitos passíveis de sansões.
    Não devemos passar a mão na cabeça sem parcimônia…
   Reflexão… Educar não é fácil. Limites são necessários. Verdades sempre têm 3 lados. Nossos filhos não “anjos de candura” 24hs por dia, 7 dias na semana, 365 dias no ano. Nenhum ser humano é. Nem os santos foram!
Então, pense, analise friamente a situação (o que é muito difícil, pois trata-se de filho) e reflita se o filho está certo ou não. Faz parte da vida errar. Mas se não tratarmos a “causa” e ensinar sobre pequenos erros, crescerão adultos inconsequentes, sem limites e com a sensação que podem tudo! As consequências podem ser irreversíveis!
Doí muito ir contra um filho. Isso é fato. Mas isso é visão imediatista, pois na realidade o puxão de orelha que muitas vezes não é entendido é de fato o que nos faz ir a favor dele e não contra. Percebe a “pegadinha” da situação?
Amar um filho vai muito além de um “eu te amo”! Capire?
Beijão Pathy!
P.S.: Tenho ciência que não estou isenta do assunto porque em algum ou alguns momentos já passei a mão na cabeça e não deveria.

Vem...leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *